Um desabafo

August 15, 2011 by

Por vezes, detesto a sensação de olhos encarnados me observando enquanto trabalho, de alguém sempre interrompendo os pensamentos… os resultados são sempre acanhados… Se as pessoas soubessem quão difícil é mergulhar em algo, jamais ousariam perturbar alguém pensando. Gente, as futilidades podem esperar, elas vão sempre existir, mas o momento fugaz de uma inspiração tem vida curta… Deixai-nos aproveitar, nós que temos mentes medíocres e não podemos nos dar ao luxo de desperdiçar estes breves momentos.

Eu gostaria de ter um estúdio, um lugar pra ficar sozinho por algumas horas.

Que nos perdoem os leitores pelo egoísmo.

Advertisements

Da impossibilidade de ser belo por todos os ângulos

August 4, 2011 by

Para que se preparem, aqui deixamos um aviso para qualquer que sejam vossas escolhas

Alguém vai sempre se sentir incomodado

Tudo compete para sua sobrevivência, esteja evoluindo em uma banda natural ou invertida. Desta competição é que surgem as crises de crescimento que operam para a evolução de todo o Cosmos. A idéia é que esta evolução é que é o que mais importa. Se para que isto aconteça alguém sempre tiver que sair incomodado… tudo bem.

Doravante, em posse dessa afirmação, que poupeis energias tentando sempre agradar. Haverá sempre um ângulo do qual vossas atitudes parecerão feias, egoístas, estúpidas, um ângulo do qual elas não serão belas.

Dica da trívia: Lysichiton americanus

Dos sofrimentos da sensibilidade e da força para manter a serenidade

July 29, 2011 by

“Quanto maior a sensibilidade, maior o sofrimento… muito sofrimento” – Leonardo da Vinci

Leonardo escreveu esta frase quando foi preso durante a juventude acusado de sodomia. Após algum tempo na prisão, ele foi libertado por falta de provas e porque ele e os amigos que foram presos eram filhos de pessoas importantes. O fato é que depois de libertado Leonardo se tornou ainda mais taciturno, misterioso e afastado das pessoas. Provavelmente ele foi acusado por um invejoso criador de intrigas ou, ainda pior, por um “amigo” com acesso à sua vida pessoal e outrora de sua confiança.

Entretanto, a maior lição desta história não é sobre a necessidade do silêncio e de manter sempre certo mistério com as pessoas, como temos falado nos últimos posts. O maior ensinamento é que o maestro não diminuiu em um só nível o seu grau de sensibilidade, sua capacidade de se impressionar e realizar boas obras. Exige-se muito amor para se fazer uma boa pintura. Amor pela arte, amor pelo objeto da pintura, amor pela cidade que vai ser adornada pela obra, amor por aqueles que irão apreciar a obra, amor pela posterioridade…

O que nós fazemos, seja no trabalho, na arte ou nos relacionamentos, exige auto-doação para ser bem feito. Aquele que não põe seu suor e lágrimas no que faz, dificilmente agrada. Não mencionamos apenas as altas doses de sentimentalismo e emocionalismo, mas também as demoradas ponderações racionais e frias. Tudo isso exige dedicação e, o medo que dá, tem a forma de “perda de tempo”. Porém, é fácil notar que a preocupação de desperdício é infantil, apesar de válida. A consciência madura percebe a transformação em si mesma proporcionado por tudo que busca fazer bem feito e, tendo este foco introspectivo, facilmente reconhece o valor mesmo dos mais fugazes momentos e obras, pois ela não espera que seja “bom por todo sempre” para entender a importância.

Entretanto, que não sejamos mal compreendidos, não estamos recomendando o envolvimento imprudente, mas o envolvimento com foco no autovalor e em desenvolver tudo que há de bom em si mesmo. Aquele que não sabe se valorizar é o mesmo que diz “não vou gostar daquele ou disto para evitar me magoar”. Por não se amar, pensa que tudo pode odiá-lo, por não se valorizar, exige valorização exterior. Desta perspectiva, pode até evitar alguma frustração, mas não priva da angústia de não ter tentado, do arrependimento de não ter se deixado sentir.

Fato é que para ter tanto sentimento, é necessária muita sensibilidade, que por sua vez pode ser severamente magoada. Porém, se reconhece o grande artista como aquele que enxuga suas lágrimas e continua pintado. Existem muitas obras esperando por pessoas corajosas para serem realizadas.

“Move-se o amante pela coisa amada” – Leonardo da Vinci

Da multidão de palavras à voz do tolo

July 26, 2011 by

O silêncio é importante e existem muitas maneiras de divulgar sem rogar à multidão das palavras e à autoexortação.

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma na presença de Deus; porque Deus está no céu, e tu estás sobre a terra; portanto sejam poucas as tuas palavras. Porque, da multidão de trabalhos vêm os sonhos, e da multidão de palavras, a voz do tolo”. –Eclesiastes 5:2-3

No fundo, nós queríamos chamar atenção para o fato de que o silêncio exterior, a favor do trabalho interior intenso é característica dos seres mais evoluídos do planeta. Este fato muito nos esclareceu, mas nos faltam palavras para repassá-lo corretamente. Esperamos que o leitor pesquisasse por ele mesmo todo o valor deste assunto.

“Em todo o universo, nada existe de mais parecido com Deus que o silêncio.” –Eckhart

É um grande paradoxo falar sobre, e mais ainda exortar, o silêncio.

Como ler pensamentos: Uma abordagem cética

June 16, 2011 by

“As disciplinas dos exercícios físicos, meditações e estudos não são terrivelmente esotéricas. Os meios para atingir uma capacidade além daquelas das chamadas pessoas comuns estão ao alcance de todos, se seus desejos e suas vontades forem fortes o suficiente…” – Veidt

Por nos faltar conhecimentos aprofundados no assunto, este texto não lidará com parapsiquismo ou tradução de atividades elétricas no cérebro humano. Ao leitor interessado nestas abordagens específicas, recomendamos este e este link, respectivamente. Focaremos nos processos indiretos de leitura do pensamento, ou seja, através da leitura das pistas do pensamento.

POSSIBILIDADE DA COMPREENSÃO DOS PENSAMENTOS ALHEIOS

Temos certeza que o leitor não acredita ser impossível ler pensamentos. No máximo, as pessoas buscam o processo pela abordagem errada. Imaginamos que o leitor já passou por uma situação ou ouviu o relato de alguém que visualizou todo um conjunto conexo de fatos e que depois confirmaram ser parte do pensamento de terceiros.

Este processo de leitura é possível, do ponto de vista material, pelos sistemas neurais envolvidos no processamento da empatia. Provavelmente utilizando neurônios espelhos, que representam os comportamentos alheios como se fossem nossos, permitindo assim, que descubramos o pensamento dos outros como a resposta para a pergunta “se eu estivesse agindo daquela maneira, o que eu estaria pensando?”. Outras evidências da transmissão de pensamentos são catalogadas nos experimentos científicos para testar a possibilidade da telepatia, sendo que o livro Mental Radio é um bom exemplo do assunto.

UTILIDADES E FUTILIDADES DA LEITURA DE PENSAMENTO

Possíveis utilidades para esta prática vão desde simples ajuda para escolher um presente, até o planejamento de uma estratégia de assistencialismo para uma pessoa ou grupo. Dentre as futilidades ou usos anticosmoéticos, podemos citar a compreensão dos pensamentos alheios para manipulação, satisfação de paixões, ciúmes, inveja ou mesmo curiosidade ociosa.

Aqui, observamos que a melhor defesa contra o assédio pensamental é manter a serenidade, discrição, tranquilidade e conduta reta, o que impede a liberação de pistas de pensamento indesejadas.

INTERPRETAÇÃO MATEMÁTICA

Esta seção faz uma descrição matemática, qualitativa do processo de leitura do pensamento. Serve apenas para aqueles que acreditam que isto ajude na sua compreensão ou que pretendam fazer simulações computacionais. O leitor que não se encaixa neste perfil pode pular para a próxima seção sem grandes perdas.

Sendo P(A) a probabilidade a priori do pensamento A; P(B), a probabilidade do comportamento B; P(A|B), a probabilidade a posteriori do comportamento B ter sido causado pelo pensamento A e P(B|A), a verossimilhança de B dado A, então, pelo Teorema de Bayes,

P(A|B)=P(B|A)P(A)/P(B).

Ou seja, poderemos ler o pensamento A, ao observar uma pista B, contanto que saibamos em que condições a pista B é gerada pelo pensamento A e as chances de a pessoa estar pensando em A Depois disso, verificamos se P(A|B) possui o maior valor dentre todos os possíveis valores de P(.|B), para um dado conjunto de possíveis pensamentos.

Esta equação serve apenas para ilustrar o processo de leitura do pensamento, a mente deve fazer estas contas automaticamente. O maior problema se deve ao fato de que tanto a probabilidade a priori P(A), quanto a verossimilhança P(B|A), da pessoa alvo serão estimadas pelas probabilidades Q(B|A) e Q(A) do leitor de pensamentos através de um possível sistema de neurônios espelhos. E isto implica em um erro igual à divergência entre P(B|A)P(A) e Q(B|A)Q(A), dado por

D = integral{dAdB P(B|A)P(A) log [ P(B|A) P(A)/( Q(B|A)Q(A) ) ] }

PASSO-A-PASSO A PARA LER PENSAMENTOS

1° Entender os próprios pensamentos. Pois a compreenção sobre isso mesmo será utilizada para inferir informações sobre os outros.

2° Compreender as possíveis relações entre pensamentos, comportamentos e demais conseqüências. Isto para fazer o mapeamento inverso pista -> pensamento. Nesta etapa é interessante descobrir perguntando, se possível, no que as pessoas ao redor estão pensando sempre que notar algum comportamento interessante.

3° Estudar leitura corporal e outras pistas de traços pensamentais. Principalmente das expressões faciais, mas é importante notar que o tom de voz, movimento das mãos e postura também contém muita informação do que vai na cabeça das pessoas. Indicamos o seguinte livro.

4° Estimar pensamentos a partir das pistas observadas na pessoa alvo.

Consciência da contingência para confiar em si mesmo

June 10, 2011 by

A consciência da contingência é o reconhecimento das relações entre os nossos atos e as conseqüências destes sobre as pessoas e o ambiente que nos cerca [1]. Este texto é baseado no argumento de que sem consciência da contingência não poderemos ter confiança em nós mesmos. Ou seja, para podermos afirmar nossas capacidades devemos primeiro ter uma noção dos limites destas.

A ansiedade é, possivelmente, causada em parte pela falta desta noção do que podemos fazer em situações temidas [2]. O fenótipo ansioso está correlacionado com a diminuição da repostas dos neurônios que respondem à dopamina e diminui nossa noção de autoconfiança. Logo, uma forma de terapia nestas situações é parar e analisar friamente o que podemos e não podemos fazer. A seguir, são mostrados alguns comportamentos pessoalmente testados que tem ajudado a controlar ansiedade, aumentar sua consciência da contingência e, conseqüentemente, autoconfiança.

DISCIPLINAS PARA AUMENTAR CONSCIÊNCIA DA CONTIGÊNCIA

1 – Cronograma de produtividade fixo

O que é? Inspirado pelo texto do Cal Newport no Study Hacks [3], adotamos um cronograma de trabalho que consiste em foco no trabalho durante toda a manhã e tarde até as 17 horas. Dentro deste horário, é proibida qualquer atividade ou leitura não relacionada ao trabalho, fora a pausa para almoço seguido de rápido cochilo sobre a mesa. Porém, depois das 17, nada de trabalho, o que ainda restar a ser feito fica para o dia seguinte.

Como ajuda? Esta atitude ajuda treinar o cérebro para saber separar o horário de diversão do horário de trabalho. É muito importante saber a diferença entre ambos, pois todos precisamos nos divertir e descansar, porém, aquele que não tem horário organizado para isto acaba se distraindo no serviço e passando mais tempo no Facebook e perdido na internet que os demais, e no final das contas, trabalhando bem menos. Deste modo, ter um cronograma fixo aumenta o sentimento de que estamos fazendo nossa parte, que estamos trabalhando corretamente.

2 – Listagem da duração das tarefas

O que é? Antes de começar a trabalhar, anotamos em uma lista o que desejamos fazer e ao lado, quanto tempo esperamos gastar com cada atividade. Com o termino de cada etapa, voltamos à lista e anotamos o tempo real gasto. Por exemplo, a lista a seguir:

Terminar os de exercícios de sistemas lineares – estimado: 3 horas – real: 3 horas

    Desenhar um rosto – estimado 1 hora – real: 3 horas e 20min

    Ler um trecho específico do livro Os Magos de Rochester – estimado 20 min – real: 20 min

Com o passar do tempo e a prática vamos ficando cada vez mais especializados na estimação do tempo que levamos para executar cada coisa de nossa vida. Notem que trabalhos de mais longa duração também podem ser analisados, por exemplo, 60 horas – 2horas/dia para escrever uma monografia.

Como ajuda? A consciência de quanto tempo é preciso para executar tarefas diárias ajuda a melhorar o planejamento do cronograma citado anteriormente, e a aumentar a confiança de que teremos tempo suficiente para cumpri-lo. Por vezes, poderemos deixar, sem ansiedade, uma tarefa para o último minuto, pois teremos certeza de que o último minuto será tempo suficiente. Alguém sem noção de quantas horas precisa para realizar algo normalmente sofre pelo medo de “não dar tempo”. Esta lista simples é muito útil como ferramenta de autoconhecimento produtivo.

3 – Começar cedo

O que é? Evitar a procrastinação e começar a executar o que é preciso sem demoras, é seguir seu cronograma tendo em mente sua lista de durações. O melhor exemplo que temos sobre o assunto é como escrevemos nossa monografia de conclusão de curso. Durante as férias, antes do último período do curso, nós estabelecemos a regra de escrever uma página da monografia por dia, uma página de texto útil, sem contar figuras ou informações adicionais, com o pensamento de que uma página por dia, em 30 dias daria uma monografia suficiente. No final das contas, tiramos nota boa, mantendo um nível de estresse e ansiedade baixos. Recomendamos isto para evitar o cansaço comum em trabalhos longos.

Como ajuda? Nada melhor para ter certeza de que vamos conseguir alcançar nossos objetivos que a sensação de que teremos tempo suficiente pra tal. Logo, começar cedo é a melhor saída para garantir a confiança de resultados desejados com nossas ações.

4 – Autohonestidade

O que é? Autohonestidade é, utilizando do autoconhecimento, não se prometer coisas que não se está disposto a cumprir e quando prometer, fazer de tudo para realizar. Esta palavra implica em não dizer “eu vou estudar mais tarde” quando sinceramente não esperamos fazê-lo, mas estudar a todo custo quando preciso. Autohonestidade é seguir seu cronograma e trabalhar para realizar tudo dentro do tempo predeterminado. Por outro lado, quem muito se promete, muito se frustra e muito se culpa. Isto é tudo tem a ver com o processo da autohonestidade, do autocompromisso, que só pode ser alcançado com determinação e cumprimento das promessas. A explicação disso está no fato de ser mais difícil enganar a si mesmo, se alguém diz que vai mudar e não se esforça, vai continuar se sentindo ansioso e sem confiança em si próprio. Importa ser honesto consigo mesmo, assumindo falhas, vícios, limitações, potenciais e tomando uma postura determinada para realizar o necessário.

Como ajuda? Pode ser que a falta de autoconfiança seja ocasionada por falta de autoresponsabilidade. Logo, evitar a autocorrupção e se manter honesto para com os planos, promessas e dívidas acarretará uma certeza íntima inabalável, tão importante para aqueles que realizam seus sonhos. Aos pouquinhos, a autohonestidade vai tornando a pessoa cada vez mais firme e disposta a se submeter a tarefas cada vez mais exigentes, por confiar que terá responsabilidade bastante.

5 – Silêncio

O que é? Tão importante quanto executar algo bem feito, é aceitar apenas a auto-satisfação como recompensa. Nem sempre teremos alguém para dar aquele tapinha nas costas depois do bom trabalho, não é todo dia que tem um ser vivo disposto a concordar com nossas ações, porém, todos os dias devemos ter noção dos nossos atos e como eles determinam nosso valor pessoal. A consciência da contingência de cada um é uma responsabilidade pessoal, logo “não dizer à esquerda o que faz a direita” [4] também significa silêncio para aumentar a autoconfiança, pois quem é viciado na avaliação alheia da próprio consciência da contingência acaba sem autoconfiança.

Como ajuda? Livre do vício da avaliação alheia o indivíduo chama a responsabilidade de se tornar consciente da própria contingência e paulatinamente se fortalece na confiança em si mesmo.

CONCLUSÃO

Temos nestas técnicas algumas maneiras de desenvolver uma confiança objetiva de quando poderemos esperar resultados de nós mesmos e como nossas ações fornecem resultados desejados, sendo, portanto, ferramentas úteis no processo de incremento da autoconfiança.

Por uma dieta mental equilibrada

April 2, 2011 by

Imaginemos uma pessoa que se alimenta quase que apenas de carboidratos. Certamente ele terá muita energia, mas acumulada em forma de gordura. Seus músculos serão fracos pela falta de proteínas e seus sentidos desequilibrados pela falta de vitaminas. Isto falando por alto.

Não que as proteínas ou vitaminas, em si, sejam mais importantes. Sem os carboidratos a pessoa também sofreria conseqüências. O importante é ter tudo o que for necessário para o corpo em quantidades proporcionais adequadas.

Vale notar que o que serve para o corpo também se aplica para a mente, neste tão comum princípio de equivalência que temos conhecimento desde os herméticos. Não pode o homem viver saudável se pensa apenas coisas desastrosas, sem equilibrar suas elucubrações com coisas fascinantes e otimistas. Também o cientista pragmático precisa de um pouco de metafísica e moralidade, assim como o religioso carece de exposição constante aos fatos práticas e materiais da vida.

A mente precisa variar sua alimentação para garantir que receba todos os nutrientes pensamentais, pois nenhuma forma de fanatismo pode garantir total satisfação de um sistema tão complexo quanto o intelecto humano. Por isso deixamos a dica de reservar momentos na semana ou mesmo no mês para se entregar a atividades aparentemente contrárias àquelas do seu dia-a-dia. Se tu fores um religioso, sugerimo leituras sobre os avanços das ciências matemáticas, físicas, biológicas e químicas. Se tu fores um cientista ou engenheiro, pedimos que visitasse algum centro de estudos de assuntos extrafísicos. Pedimos também, a todos os habitantes das cidades que não se esqueçam de espairecer nas praias, rios e matas.

A alimentação preventiva ajuda a manter a saúde da mente, tal como a do corpo.

Para resolver o mundo

March 21, 2011 by

Quando nós éramos pequenos pensávamos que se todas as pessoas do mundo assistissem Cavaleiros do Zodíaco com atenção, os problemas acabariam. Era fácil ver que aquelas lições de amizade e amor fraterno eram tudo que precisávamos. Amar as pessoas e dar a vida por elas, esse era o segredo.

Depois, crescemos um pouquinho e verificamos que lê os quadrinhos de Samurai X era uma saída ainda mais eficiente. Se cada um pegasse sua espada, ou qualquer outra arma física ou intelectual, e colocasse seu coração nela para proteger aqueles que lhes são caros, então tudo estaria bem.

Quando se termina a escola e entra na faculdade é difícil continuar lendo quadrinhos. Mas as lições de ciência e sociedade que vislumbramos no ambiente acadêmico surgem como uma opção mais madura. Pesquisar e trabalhar, colocando em prática aquilo que outros tiveram tanto trabalho para escrever. Tinha que ser isso, trabalhando e gerando renda, assim não sobra fome ou ociosidade.

No entanto, no meio da faculdade, nos renasce a paixão pela arte. Caros amigos, é difícil descrever, mas não há nada superior que a sensação de manifestar nossos sentimentos. Deus! Quanto prazer, quanta alegria. Era isso, a solução do mundo. Mostrar a todos o que sentimos e nos esforçarmos para sentir coisas cada vez mais belas. Se todo mundo pintasse, desenhasse, tocasse… tanta beleza nos cercaria que seria impossível sofrer.

No fim, paramos um pouco para relembrar tudo e se tornou fácil a conclusão. A resposta para a grande pergunta como resolver o mundo? E mais uma vez o pensamento nos surge simples, há várias soluções todas igualmente boas e com enorme potencial gestor de auto-melhora, nenhuma superior à outra e cada uma esperando alguém para reconhecer eis aí, uma maneira de resolver o mundo.

Da arte de aproveitar a solidão

March 13, 2011 by

Aposta de 10:1 a favor de que a maioria daqueles que vão ler este texto consideram a solidão algo ruim. Isto é um fato importante e que merece ser considerado a fundo. Um grande amigo nosso está escrevendo um texto mais aprofundado sobre o assunto, mas nós também gostaríamos de dizer algo.

Primeiramente, o que de mais confiável nós temos é a solidão. Esta não nos falta nunca. A menos que estejamos falando de alguém com bem pouca sorte, sempre poderemos contar com momentos para nos entregar inteiramente a nossos pensamentos.

Isto torna imperioso que toda pessoa tenha um plano positivo para aproveitar a solidão, torná-la produtiva, útil e mesmo agradável. Abaixo colocaremos alguns pré-requisitos para aquele que deseja aproveitar seus momentos sem amigos por perto, em seguida algumas sugestões de diversões.

Habilidades úteis para quem deseja aproveitar a solidão

  1. Valorização da vida mental. Quem pensa pouco, que não planeja, que não calcula, que não sonha pode assumir que pouco valoriza a sua vida mental. Este tipo de pessoa normalmente sofre quando deixada sozinha. E o sofrimento toma a forma de desespero por completa falta do que fazer. Seus pensamentos se tornam desorganizados, deprimentes e aterradores. Como a pessoa não está acostumada a pensar, ela não consegue controlar a mente quando preciso. Para reverter este quadro sugerimos homeopática, mas contínua exposição à solidão, à leitura e à meditação.
  2. Respeito por si mesmo. Também sofre muito quem não se ama. Quem tem muito ódio-próprio detesta ouvir os próprios pensamentos e ser deixado a sós (por causa da companhia…). Sem esta habilidade, a pessoa sempre tenta fugir de si mesmo por psicotrópicos e outros estimulantes como festas, relacionamentos inúteis, jogatinas, etc.
  3. Saber planejar os mementos de solidão. Quando marcamos de encontrar nossos amigos, quando vamos para faculdade ou outra reunião, normalmente temos um objetivo ou plano em mente. Tal planejamento também é importante para os momentos solitários. É bom ter uma lista de tarefas, livros, filmes, trabalhos e diversões para a próxima oportunidade de estar só.
  4. Saber dosar a solidão. Isto é para o viciado em solidão. Evitar por muito tempo as pessoas impede a devida valorização da solidão. Além disso, satura a mente e impede o aproveitamento dos momentos sem ninguém. O bom solitário não precisa ser alguém solteiro ou sem amigos. Ainda neste assunto, pode ser que aquele reclama se dizendo sem amigos, seja alguém que não saiba respeitar a si mesmo e os outros e que, por isso, inventa desculpas para mergulhar em solidão demasiada.

Sugestões de diversões para momentos de solidão

Antes de mostrar a lista avisamos que aquele que não possui as habilidades acima odiará nossa lista. Detestar a solidão é uma patologia e para o doente as sugestões a seguir poderão parecer terríveis. Mas pedimos a todos consideração e que leiam com carinho.

  1. Estudar. Não apenas para a escola e faculdade. Aliás, dizemos que os que não estudam são os que mais detestam a solidão e vice-versa. Sugerimos algum estudo longo e que tome vários momentos de solidão. Particularmente, começamos a ler sobre atividades de valorização da mente. Como sub-assuntos temos meditação, programação neuro-linguística, religião, magia, arte… Nós nunca ficamos sem o que fazer.
  2. Conhecer a si mesmo. Sabemos que o leitor conhece Sócrates, mas acreditamos que provavelmente não lhe conceda muita atenção, como também o faz com Jesus. Sendo sinceros, poucos meditam tempo suficiente sobre o que os antigos disseram. Prova disso é que talvez o leitor não reserve momentos diários para refletir sobre como agiu durante o dia e como pode melhorar. Recomendamos meditação, estudo de exercícios de respiração e auto-auscultação para conhecer o próprio corpo e mente. Estes exercícios também ajudam a desenvolver as habilidade de valorização e controle da vida mental.
  3. Arte. Particularmente, nós nos dedicamos ao desenho, um irmão nosso, à prosa e o amigo citado acima à música. Todo aquele que deseja a felicidade na solidão deve saber proporcionar prazer à própria mente.
  4. Conhecer a cidade. Nós sentimos dó daqueles que dizem que não tem nada para fazer em nossa cidade, São Luís. Isto prova que esta pessoa jamais se favoreceu o direito de caminhar por lugares bonitos. Provavelmente só se diverte no cinema, shopping ou outro ambiente populoso. Nós sugerimos as pequenas praças, as lagoas, as praias, ou seja, os ambientes não tão solitários, por questões de segurança, mas que permitem momentos de reflexão. Notem que esta sugestão também foi obtida da análise dos métodos dos pintores renascentistas que gastavam bastante tempo sozinhos observando as belezas da Natureza para reproduzir em suas obras. Quem não observa não cria.
  5. Cuidar de outros que também estejam sós. Sem misticismo, tem muita gente por aí que agradeceria uma visitinha. E ter que ouvir pessoas reclamando que estão sem ninguém ou sem o que fazer é de dar pena. Não custa nada abrir mão da solidão demasiada para dar uma passadinha nos orfanatos, asilos, hospitais ou outras atividades de assistencialismo que tem por aí, é só procurar a mais próxima no Google Maps. Esta é uma dupla solução, pois a sensação íntima de estar fazendo algo de útil elimina a tristeza da solidão e torna a pessoa imperceptivelmente mais agradável. Ou seja, evitar a solidão por fins úteis chama, naturalmente, pessoas para perto. Ou alguém aí vai dizer que nunca conheceu alguém que, de tão gente boa, todo mundo quer por perto? Leonardo da Vinci passava horas sozinho nas morgues dissecando cadáveres, mas sempre dizia, não me canso de servir. Servir as pessoas é que lhe dava a autoconfiança até pra se enfurnar no meio dos mortos, imagina passar alguns segundos sozinho. Fora os resultados para os outros, servir sem fins lucrativos ou de reconhecimentos é a ferramenta mais prática para conhecer a si mesmo e aprender a valorizar a própria mente.

Como começar a aproveitar a solidão

Àquele que se interessou por nosso texto e gostaria de conselhos sobre por onde começar, sugerimos o seguinte:

Comece por se sentar em um lugar agradável, com música boa e serena. Nada de marchas fúnebres ou músicas estimulantes de vida social desregrada. Esqueça por um momento as redes sociais ou qualquer coisa que faça ter raiva de estar sem amigos por perto. Sinta a música por um momento e relaxe. Observe, sem tentar mudar ou controlar, a respiração e o estado dos músculos. Relaxe com bons pensamentos e auto-análise por uns 20 minutos. Coloque um despertador para evitar ficar olhando para o relógio. Depois, analise seus gostos e planeje algum estudo, algo que sempre agradou e que se julgava sem tempo para fazer. Tenha um caderno para anotar os pensamentos e planejamentos. Este estudo será para os momentos de solidão ociosa. Faça deste minuto de reflexão um hábito diário e, assim como um músculo que se fortalece com o esforço, a resistência para a solidão aumentará gradativamente.

Conselhos para o estudante de engenharia – por Leonardo da Vinci

March 6, 2011 by

Este texto é inspirado no livro The Notebooks of Leonardo da Vinci

O seguinte post é uma invenção tradução do recém encontrado “Trattato della Ingegneria” do meu amigo próximo, Leonardo di ser Piero da Vinci. Mamãe só o chama de Leo. Este tratado consiste em um livreto que contém entre desenhos e fórmulas, 10 dicas para guiar o aluno de Engenharia, como mostrado nas figuras abaixo. O texto foi todo escrito com a mão esquerda e de trás para frente e é conhecido como “Codice Lvdovicienzzi”. Nós precisáramos de um espelho e de um dicionário de italiano toscano antigo para tradução. Esperamos que o leitor achasse o texto útil.

  1. La sapieta è figliola della sperieta. A sabedoria é filha da experiência. E no curso de engenharia, os alunos são cobrados resultados práticos e não discursos convincentes, ou provas de que leram enciclopédias, portanto, é mais importante se dedicar a resolver o maior número de exercícios e realizar experimentos laboratoriais que ler a opinião das pessoas sobre o assunto.
  2. Quelli che s’inamora di pratica saza scietia so come ‘l nocchiere Che etra navilio sanza timone e bussola, chè mai à certezza dove si vada. Aquele que se apaixona pela prática sem ciência é como o marinheiro que entra em um navio sem timão ou bússola, e que nunca tem certeza para onde vai. Assim, sabemos que a prática é mais importante e que a resolução de exercícios é que vão garantir boas notas. Mas vale lembrar que esquecer o valor de uma boa teoria é uma tolice. Então, a regra é ler um pouco para entender a teoria e praticar o dobro para ganhar experiência.
  3. Nessuna certezza delle scietie è, dove no si può applicare vna delle scietie matematiche e che non sono vnite com esse matematiche.
    Não há certeza nas ciências em que uma ciência matemática não pode ser aplicada, ou que não tem relação com matemáticas. Engenharia é escrita na linguagem da matemática e da precisão, logo, se o candidato a engenheiro não tem muita prática com esta ciência, é importante que ele dedique algum tempo para fazer exercícios e acostumar sua intuição com a Arte. Em um próximo post publicaremos “Como estudar Matemática: entendendo equações como um pintor” também escrito por Leo e nós.
  4. Tristo è quel discepolo che nona vaza Il suo maestro.
    Triste é o discípulo que não supera o seu mestre. A tecnologia está sempre avançando. Novos materiais de estudos surgem a cada dia nas bibliotecas e internet. Se tu não gostas ou não entendes o teu professor, não odeie a disciplina ou ache que não podes aprender. Apenas procure por novas fontes de explicação e supere as de seu mestre. E repetimos, tenha tuas próprias experiências, sejam elas matemáticas ou laboratoriais.
  5. Dico e confermo che ‘l disegniare i copagnia è molto meglio che solo. Eu digo e repito que desenhar estudar engenharia é muito melhor em companhia que sozinho. Ajuda bastante ter um grupo de estudos que se reúna semanalmente ou mensalmente para compartilhar experiências e resolver exercícios. Além disso, a responsabilidade de fornecer material de qualidade para os colegas estimula o estudante a se dedicar e evita a sobrecarga de tarefas.
  6. E se tu sarai solo tu sarai tutto tuo, e se serai acompagniato da uno solo copagnio sarai mezzo tuo. Se tu estiveres sozinho, serás todo teu, se tiveres uma companhia, serás apenas metade teu. Isto é, por mais que tenhamos um grupo de estudo, é necessário que também tenhamos momentos diários para trabalharmos sozinhos e guiados somente por nossos pensamentos, sem os empecilhos causados por companhias indiscretas, celulares, facesbook ou MSN pombo correio, ou outras distrações.
  7. Questa benigna natura ne provede i modo che per tutto Il modo tu trovi dove imitare. A Natureza beneficientemente provê por todo mundo algo que você possa achar para imitar. Deste modo, sempre que precisamos de um projeto, tema para dissertação ou monografia, é mais sábio procurar pelo mundo algum exemplo que nos sirva de inspiração, que inventar algo de nossas cabeças, sem nenhuma experiência para respaldar. Achar tais exemplos se torna ainda mais fácil quando o aluno se engaja desde os primeiros períodos para trabalhar em um laboratório de pesquisa ou de prestação de serviços.
  8. e quelli notare co brevi segni in questa forma su um tuo Piccolo libretto, Il quale tu devi sepre portar co teco… E tome notas breves em um pequeno caderno que tu deves sempre carregar contigo. Nossa memória tem limitações e em um mundo tão vasto quanto o das engenharias e matemáticas, é necessário tomar notas. Além disso, o simples ato de escrever sobre um assunto ajuda na assimilação e rememoração. Isto não significa que o aluno deva transcrever toda uma aula ou escrever toda idéia que surja na cabeça. Mas é imprescindível fazer anotações simples, inteligíveis e que possam ser retrabalhados com mais cuidado quando se tiver tempo.
  9. … perchè gli manca assai di degnità a fare vna cosa bene e l’altra male… Porque há muita falta de auto-respeito em se fazer algumas coisas bem e outras mal. Ou seja, nada de escolher duas ou três disciplinas para ir bem e se conformar com notas baixas nas outras. O ser humano tem limitações por Natureza, não que isto seja vergonhoso, mas nem por isso devemos viver sem fazer um esforço para obter resultados aceitáveis nas exigências básicas. Saiba reservar um tempo para estudar todas as disciplinas do período.
  10. Chi uuole essere ricco in v dì e impiccato in vn anno. Aquele que quiser enricar em um dia será enforcado em um ano. Em um mercado tão competitivo como o das Engenharias, é tolice achar que vai se tornar bem sucedido rapidamente. Nenhuma boa idéia, nem mesmo boas notas, virão sem o esforço devido e experiência. Todo bom engenheiro tem que se esforçar e quanto mais sedo ele começar o seu trabalho, mais tempo terá para fazer uma boa obra. Deste modo, não deixe os trabalhos, estudos para provas ou mesmo a monografia para o último momento ou período. Adiante seus trabalhos aos poucos, sem pressa, mas sem parar. Ao aluno, desejamos boa vontade, paciência e boa sorte!

PS: Como todo bom engenheiro, Leonardo também nos deixou piadas:

Fu dimadato vn pittore perchè, faciedo lui de’ figure si belle che era cose morte, per che causa esso avesse fatti i figlioli si brutti; allora Il pittore rispose che le pitture fecie di dì, e i figlioli di notte. Perguntaram a um pintor porque ele fazia tantas figuras belas, que são coisas sem vida, mas fazia seus filhos tão feios. Ao que o pintor respondeu: – É que minhas pinturas eu faço de dia e meus filhos, faço a noite. – Leo.