Archive for March, 2012

Tempo bom, tempo ruim – Sobre a maré do humor feminino

March 22, 2012

Uma boa mulher pode ser difícil de ser conquistada. Uma mulher com que vale a pena conviver por muito tempo pode exigir ser reconquistada continuamente. No primeiro encontro devemos superar as repressões da primeira vez, no dia-a-dia, os desafios e testes de amor impostos pelo ânimo feminino aparentemente caótico.

As frases acima são quem nos motivam a querer lidar com a tumultuada dinâmica do humor feminino.

Sejam por ciclos hormonais ou por focarem suas vidas nos aspectos sentimentais, emocionais e afetivos da vida, algumas mulheres variam muito o seu humor. Por vezes, uma mulher pode ter dia e hora marcada para deixar de amar por algumas horas a pessoa com quem compartilha a vida a tempos. No entanto, cabe ao homem determinado ter a força de vontade para saber lidar com o touro brabo que as mulheres de sua vida se tornam. Afinal de contas, em um rodeio o vaqueiro não vai olhar para a platéia e dizer: “este touro está muito zangado, vou esperar que ele se acalme um pouco para depois montá-lo“. Muito pelo contrário, quanto mais agitado o boi, melhor o desafio e mais claro fica a determinação do peão de rodeio. Então, a seguir apresentamos algumas análises sobre momentos em que as mulheres costumam se tornar particularmente arredias, exigindo masculinidade e determinação dos homens de sua vida. A idéia básica é ser determinado e não permitir que a maré do humor feminino afete sua retidão moral e serenidade emocional, enquanto dá à mulher o melhor de seu amor.

TPM – Quando este momento do ciclo menstrual chega e as mulheres se tornam treinadas para matar podem acabar ficando particularmente repulsivas. Em nossa opinião, será sábio aquele que ficar atento à tabelinha de sua mulher. Por sorte (ou azar) os ciclos menstruais se sincronizam e as mulheres de um grupo tendem a entrar em TPM em momentos próximos, não sendo necessário lidar com a tensão o mês inteiro. Nestas horas o mais estratégico é evitar tomadas de decisões importantes e conversas de forte carga emocional, como por exemplo, discutir relações, comentar planos para o futuro e pedir opiniões racionais. O interessante é que exatamente nestes períodos que as mulheres se tornam mais motivadas para tais confrontos. Então, caro leitor, sugerimos, fique atento e não deixe que o ciclo hormonal das mulheres controle o seu humor e sua vida. Por questão de exemplificação, repita em voz alta: Eu sou estressado e manipulado pela TPM das minhas mulheres. E sinta quem de fato é a mulher de quem na relação.

Mal amada – Quem concentra a vida em uma missão espiritual, profissional, humanitária, artística, etc ao sentir que não recebe o apoio de suas companhias, sendo antes atrapalhados por eles, pode acabar tendo que ter a determinação de se livrar deles, por mais que isto doa. No entanto, quem foca a vida em uma pessoa através de um namoro, casamento, paternidade, etc pode acabar se sentindo deveras mal amado quando não recebe em troca a gratidão esperada do foco de seu afeto. Agora, analisemos juntos, se um bom homem divide sua atenção entre sua missão e sua mulher, será incapaz de se dedicar tanto a ela quanto ela esperava. Logo, ela entrará, sem avisar, em estados de humor desagradável sem aviso prévio, por vezes mesmo demonstrando desafeto pela missão de seu homem. Nestas horas, o missionário tentará, por exemplo, comentar seus sucessos no presente e planos para o futuro e ela reagirá com indiferença, resmungando antes do fato de ele ter deixado o quarto bagunçado ou outro detalhe inexpressivo. Um homem ambíguo, que espera pela aprovação dos outros, se deixará irritar. Mas nós, sugerimos o exercício, repita em voz alta: Eu me irrito e choro quando minha mulher não diz se estou indo na direção correta. E verifique por si mesmo quem é a menininha mal amada de sua casa. Já o homem determinado lembrará o objetivo de cada mulher em sua vida e, daquelas que espera afeto, irá dar carinho, atenção e amor na hora certa para receber o mesmo em troca. Afinal de contas, um determinado já dizia que é dando que se recebe. Tal homem deixará as discussões filosóficas para o crânio sobre sua estante, para os colegas de trabalho háptos, ou mesmo para um momento em que sua mulher esteja emocionalmente propícia.

Masculinizada – Ficar estressada para querer saber o que vai comer no dia seguinte, se vai pagar a conta de luz, se os filhos vão ser expulsos do colégio, etc. não são, convencionalmente, preocupações para a cabeça de uma mulher. Quando elas se preocupam com o que era esperado de seu homem, tenderão a se masculinizarem, se tornando menos dengosas, menos radiantes, mais parecidas com um colega de trabalho que com uma namorada. Para que não pareçamos muito extremistas, repita em voz alta: Eu fico enciumado e inseguro enquanto minha mulher se vira porque eu ainda não “me identifiquei”. Acreditamos que com isto da para perceber quando estamos sendo ambíguos, precisando de uma missão de vida da qual nossa mulher faça questão de apoiar, jubilando no gozo de ser feminina para alguém de valor. Só para ajudar na identificação, uma mulher masculinizada é aquela que responde “henhein” voltando para trocar a lâmpada enquanto seu homem diz que a ama tentando beijá-la.

Depois de tudo isto dito e feito, voltamos um pouco atrás e assumimos existem forças da natureza além de nosso alcance. Não dá para atravessar um oceano a nado sem descanso, não dá para apagar um incêndio em uma floresta com um copo d’água. Da mesma forma, existem mulheres que amamos, mas que são incompatíveis com o tempo e esforço que podemos lhes dedicar. Nestas horas, é uma maior prova de amor deixá-las para que outro, em melhores, condições as assuma. Claro, que não sem antes uma boa e determinada tentativa.

Para terminar, uma frase do Don Juan de Lord Byron para nos guiar na lida com o humor feminino daqui para frente:

“Em sua primeira paixão, a mulher ama seu amante

em todas as outras, o que ela ama é o amor.”

Advertisements