Como ler pensamentos: Uma abordagem cética

by

“As disciplinas dos exercícios físicos, meditações e estudos não são terrivelmente esotéricas. Os meios para atingir uma capacidade além daquelas das chamadas pessoas comuns estão ao alcance de todos, se seus desejos e suas vontades forem fortes o suficiente…” – Veidt

Por nos faltar conhecimentos aprofundados no assunto, este texto não lidará com parapsiquismo ou tradução de atividades elétricas no cérebro humano. Ao leitor interessado nestas abordagens específicas, recomendamos este e este link, respectivamente. Focaremos nos processos indiretos de leitura do pensamento, ou seja, através da leitura das pistas do pensamento.

POSSIBILIDADE DA COMPREENSÃO DOS PENSAMENTOS ALHEIOS

Temos certeza que o leitor não acredita ser impossível ler pensamentos. No máximo, as pessoas buscam o processo pela abordagem errada. Imaginamos que o leitor já passou por uma situação ou ouviu o relato de alguém que visualizou todo um conjunto conexo de fatos e que depois confirmaram ser parte do pensamento de terceiros.

Este processo de leitura é possível, do ponto de vista material, pelos sistemas neurais envolvidos no processamento da empatia. Provavelmente utilizando neurônios espelhos, que representam os comportamentos alheios como se fossem nossos, permitindo assim, que descubramos o pensamento dos outros como a resposta para a pergunta “se eu estivesse agindo daquela maneira, o que eu estaria pensando?”. Outras evidências da transmissão de pensamentos são catalogadas nos experimentos científicos para testar a possibilidade da telepatia, sendo que o livro Mental Radio é um bom exemplo do assunto.

UTILIDADES E FUTILIDADES DA LEITURA DE PENSAMENTO

Possíveis utilidades para esta prática vão desde simples ajuda para escolher um presente, até o planejamento de uma estratégia de assistencialismo para uma pessoa ou grupo. Dentre as futilidades ou usos anticosmoéticos, podemos citar a compreensão dos pensamentos alheios para manipulação, satisfação de paixões, ciúmes, inveja ou mesmo curiosidade ociosa.

Aqui, observamos que a melhor defesa contra o assédio pensamental é manter a serenidade, discrição, tranquilidade e conduta reta, o que impede a liberação de pistas de pensamento indesejadas.

INTERPRETAÇÃO MATEMÁTICA

Esta seção faz uma descrição matemática, qualitativa do processo de leitura do pensamento. Serve apenas para aqueles que acreditam que isto ajude na sua compreensão ou que pretendam fazer simulações computacionais. O leitor que não se encaixa neste perfil pode pular para a próxima seção sem grandes perdas.

Sendo P(A) a probabilidade a priori do pensamento A; P(B), a probabilidade do comportamento B; P(A|B), a probabilidade a posteriori do comportamento B ter sido causado pelo pensamento A e P(B|A), a verossimilhança de B dado A, então, pelo Teorema de Bayes,

P(A|B)=P(B|A)P(A)/P(B).

Ou seja, poderemos ler o pensamento A, ao observar uma pista B, contanto que saibamos em que condições a pista B é gerada pelo pensamento A e as chances de a pessoa estar pensando em A Depois disso, verificamos se P(A|B) possui o maior valor dentre todos os possíveis valores de P(.|B), para um dado conjunto de possíveis pensamentos.

Esta equação serve apenas para ilustrar o processo de leitura do pensamento, a mente deve fazer estas contas automaticamente. O maior problema se deve ao fato de que tanto a probabilidade a priori P(A), quanto a verossimilhança P(B|A), da pessoa alvo serão estimadas pelas probabilidades Q(B|A) e Q(A) do leitor de pensamentos através de um possível sistema de neurônios espelhos. E isto implica em um erro igual à divergência entre P(B|A)P(A) e Q(B|A)Q(A), dado por

D = integral{dAdB P(B|A)P(A) log [ P(B|A) P(A)/( Q(B|A)Q(A) ) ] }

PASSO-A-PASSO A PARA LER PENSAMENTOS

1° Entender os próprios pensamentos. Pois a compreenção sobre isso mesmo será utilizada para inferir informações sobre os outros.

2° Compreender as possíveis relações entre pensamentos, comportamentos e demais conseqüências. Isto para fazer o mapeamento inverso pista -> pensamento. Nesta etapa é interessante descobrir perguntando, se possível, no que as pessoas ao redor estão pensando sempre que notar algum comportamento interessante.

3° Estudar leitura corporal e outras pistas de traços pensamentais. Principalmente das expressões faciais, mas é importante notar que o tom de voz, movimento das mãos e postura também contém muita informação do que vai na cabeça das pessoas. Indicamos o seguinte livro.

4° Estimar pensamentos a partir das pistas observadas na pessoa alvo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: