Archive for March, 2011

Para resolver o mundo

March 21, 2011

Quando nós éramos pequenos pensávamos que se todas as pessoas do mundo assistissem Cavaleiros do Zodíaco com atenção, os problemas acabariam. Era fácil ver que aquelas lições de amizade e amor fraterno eram tudo que precisávamos. Amar as pessoas e dar a vida por elas, esse era o segredo.

Depois, crescemos um pouquinho e verificamos que lê os quadrinhos de Samurai X era uma saída ainda mais eficiente. Se cada um pegasse sua espada, ou qualquer outra arma física ou intelectual, e colocasse seu coração nela para proteger aqueles que lhes são caros, então tudo estaria bem.

Quando se termina a escola e entra na faculdade é difícil continuar lendo quadrinhos. Mas as lições de ciência e sociedade que vislumbramos no ambiente acadêmico surgem como uma opção mais madura. Pesquisar e trabalhar, colocando em prática aquilo que outros tiveram tanto trabalho para escrever. Tinha que ser isso, trabalhando e gerando renda, assim não sobra fome ou ociosidade.

No entanto, no meio da faculdade, nos renasce a paixão pela arte. Caros amigos, é difícil descrever, mas não há nada superior que a sensação de manifestar nossos sentimentos. Deus! Quanto prazer, quanta alegria. Era isso, a solução do mundo. Mostrar a todos o que sentimos e nos esforçarmos para sentir coisas cada vez mais belas. Se todo mundo pintasse, desenhasse, tocasse… tanta beleza nos cercaria que seria impossível sofrer.

No fim, paramos um pouco para relembrar tudo e se tornou fácil a conclusão. A resposta para a grande pergunta como resolver o mundo? E mais uma vez o pensamento nos surge simples, há várias soluções todas igualmente boas e com enorme potencial gestor de auto-melhora, nenhuma superior à outra e cada uma esperando alguém para reconhecer eis aí, uma maneira de resolver o mundo.

Da arte de aproveitar a solidão

March 13, 2011

Aposta de 10:1 a favor de que a maioria daqueles que vão ler este texto consideram a solidão algo ruim. Isto é um fato importante e que merece ser considerado a fundo. Um grande amigo nosso está escrevendo um texto mais aprofundado sobre o assunto, mas nós também gostaríamos de dizer algo.

Primeiramente, o que de mais confiável nós temos é a solidão. Esta não nos falta nunca. A menos que estejamos falando de alguém com bem pouca sorte, sempre poderemos contar com momentos para nos entregar inteiramente a nossos pensamentos.

Isto torna imperioso que toda pessoa tenha um plano positivo para aproveitar a solidão, torná-la produtiva, útil e mesmo agradável. Abaixo colocaremos alguns pré-requisitos para aquele que deseja aproveitar seus momentos sem amigos por perto, em seguida algumas sugestões de diversões.

Habilidades úteis para quem deseja aproveitar a solidão

  1. Valorização da vida mental. Quem pensa pouco, que não planeja, que não calcula, que não sonha pode assumir que pouco valoriza a sua vida mental. Este tipo de pessoa normalmente sofre quando deixada sozinha. E o sofrimento toma a forma de desespero por completa falta do que fazer. Seus pensamentos se tornam desorganizados, deprimentes e aterradores. Como a pessoa não está acostumada a pensar, ela não consegue controlar a mente quando preciso. Para reverter este quadro sugerimos homeopática, mas contínua exposição à solidão, à leitura e à meditação.
  2. Respeito por si mesmo. Também sofre muito quem não se ama. Quem tem muito ódio-próprio detesta ouvir os próprios pensamentos e ser deixado a sós (por causa da companhia…). Sem esta habilidade, a pessoa sempre tenta fugir de si mesmo por psicotrópicos e outros estimulantes como festas, relacionamentos inúteis, jogatinas, etc.
  3. Saber planejar os mementos de solidão. Quando marcamos de encontrar nossos amigos, quando vamos para faculdade ou outra reunião, normalmente temos um objetivo ou plano em mente. Tal planejamento também é importante para os momentos solitários. É bom ter uma lista de tarefas, livros, filmes, trabalhos e diversões para a próxima oportunidade de estar só.
  4. Saber dosar a solidão. Isto é para o viciado em solidão. Evitar por muito tempo as pessoas impede a devida valorização da solidão. Além disso, satura a mente e impede o aproveitamento dos momentos sem ninguém. O bom solitário não precisa ser alguém solteiro ou sem amigos. Ainda neste assunto, pode ser que aquele reclama se dizendo sem amigos, seja alguém que não saiba respeitar a si mesmo e os outros e que, por isso, inventa desculpas para mergulhar em solidão demasiada.

Sugestões de diversões para momentos de solidão

Antes de mostrar a lista avisamos que aquele que não possui as habilidades acima odiará nossa lista. Detestar a solidão é uma patologia e para o doente as sugestões a seguir poderão parecer terríveis. Mas pedimos a todos consideração e que leiam com carinho.

  1. Estudar. Não apenas para a escola e faculdade. Aliás, dizemos que os que não estudam são os que mais detestam a solidão e vice-versa. Sugerimos algum estudo longo e que tome vários momentos de solidão. Particularmente, começamos a ler sobre atividades de valorização da mente. Como sub-assuntos temos meditação, programação neuro-linguística, religião, magia, arte… Nós nunca ficamos sem o que fazer.
  2. Conhecer a si mesmo. Sabemos que o leitor conhece Sócrates, mas acreditamos que provavelmente não lhe conceda muita atenção, como também o faz com Jesus. Sendo sinceros, poucos meditam tempo suficiente sobre o que os antigos disseram. Prova disso é que talvez o leitor não reserve momentos diários para refletir sobre como agiu durante o dia e como pode melhorar. Recomendamos meditação, estudo de exercícios de respiração e auto-auscultação para conhecer o próprio corpo e mente. Estes exercícios também ajudam a desenvolver as habilidade de valorização e controle da vida mental.
  3. Arte. Particularmente, nós nos dedicamos ao desenho, um irmão nosso, à prosa e o amigo citado acima à música. Todo aquele que deseja a felicidade na solidão deve saber proporcionar prazer à própria mente.
  4. Conhecer a cidade. Nós sentimos dó daqueles que dizem que não tem nada para fazer em nossa cidade, São Luís. Isto prova que esta pessoa jamais se favoreceu o direito de caminhar por lugares bonitos. Provavelmente só se diverte no cinema, shopping ou outro ambiente populoso. Nós sugerimos as pequenas praças, as lagoas, as praias, ou seja, os ambientes não tão solitários, por questões de segurança, mas que permitem momentos de reflexão. Notem que esta sugestão também foi obtida da análise dos métodos dos pintores renascentistas que gastavam bastante tempo sozinhos observando as belezas da Natureza para reproduzir em suas obras. Quem não observa não cria.
  5. Cuidar de outros que também estejam sós. Sem misticismo, tem muita gente por aí que agradeceria uma visitinha. E ter que ouvir pessoas reclamando que estão sem ninguém ou sem o que fazer é de dar pena. Não custa nada abrir mão da solidão demasiada para dar uma passadinha nos orfanatos, asilos, hospitais ou outras atividades de assistencialismo que tem por aí, é só procurar a mais próxima no Google Maps. Esta é uma dupla solução, pois a sensação íntima de estar fazendo algo de útil elimina a tristeza da solidão e torna a pessoa imperceptivelmente mais agradável. Ou seja, evitar a solidão por fins úteis chama, naturalmente, pessoas para perto. Ou alguém aí vai dizer que nunca conheceu alguém que, de tão gente boa, todo mundo quer por perto? Leonardo da Vinci passava horas sozinho nas morgues dissecando cadáveres, mas sempre dizia, não me canso de servir. Servir as pessoas é que lhe dava a autoconfiança até pra se enfurnar no meio dos mortos, imagina passar alguns segundos sozinho. Fora os resultados para os outros, servir sem fins lucrativos ou de reconhecimentos é a ferramenta mais prática para conhecer a si mesmo e aprender a valorizar a própria mente.

Como começar a aproveitar a solidão

Àquele que se interessou por nosso texto e gostaria de conselhos sobre por onde começar, sugerimos o seguinte:

Comece por se sentar em um lugar agradável, com música boa e serena. Nada de marchas fúnebres ou músicas estimulantes de vida social desregrada. Esqueça por um momento as redes sociais ou qualquer coisa que faça ter raiva de estar sem amigos por perto. Sinta a música por um momento e relaxe. Observe, sem tentar mudar ou controlar, a respiração e o estado dos músculos. Relaxe com bons pensamentos e auto-análise por uns 20 minutos. Coloque um despertador para evitar ficar olhando para o relógio. Depois, analise seus gostos e planeje algum estudo, algo que sempre agradou e que se julgava sem tempo para fazer. Tenha um caderno para anotar os pensamentos e planejamentos. Este estudo será para os momentos de solidão ociosa. Faça deste minuto de reflexão um hábito diário e, assim como um músculo que se fortalece com o esforço, a resistência para a solidão aumentará gradativamente.

Conselhos para o estudante de engenharia – por Leonardo da Vinci

March 6, 2011

Este texto é inspirado no livro The Notebooks of Leonardo da Vinci

O seguinte post é uma invenção tradução do recém encontrado “Trattato della Ingegneria” do meu amigo próximo, Leonardo di ser Piero da Vinci. Mamãe só o chama de Leo. Este tratado consiste em um livreto que contém entre desenhos e fórmulas, 10 dicas para guiar o aluno de Engenharia, como mostrado nas figuras abaixo. O texto foi todo escrito com a mão esquerda e de trás para frente e é conhecido como “Codice Lvdovicienzzi”. Nós precisáramos de um espelho e de um dicionário de italiano toscano antigo para tradução. Esperamos que o leitor achasse o texto útil.

  1. La sapieta è figliola della sperieta. A sabedoria é filha da experiência. E no curso de engenharia, os alunos são cobrados resultados práticos e não discursos convincentes, ou provas de que leram enciclopédias, portanto, é mais importante se dedicar a resolver o maior número de exercícios e realizar experimentos laboratoriais que ler a opinião das pessoas sobre o assunto.
  2. Quelli che s’inamora di pratica saza scietia so come ‘l nocchiere Che etra navilio sanza timone e bussola, chè mai à certezza dove si vada. Aquele que se apaixona pela prática sem ciência é como o marinheiro que entra em um navio sem timão ou bússola, e que nunca tem certeza para onde vai. Assim, sabemos que a prática é mais importante e que a resolução de exercícios é que vão garantir boas notas. Mas vale lembrar que esquecer o valor de uma boa teoria é uma tolice. Então, a regra é ler um pouco para entender a teoria e praticar o dobro para ganhar experiência.
  3. Nessuna certezza delle scietie è, dove no si può applicare vna delle scietie matematiche e che non sono vnite com esse matematiche.
    Não há certeza nas ciências em que uma ciência matemática não pode ser aplicada, ou que não tem relação com matemáticas. Engenharia é escrita na linguagem da matemática e da precisão, logo, se o candidato a engenheiro não tem muita prática com esta ciência, é importante que ele dedique algum tempo para fazer exercícios e acostumar sua intuição com a Arte. Em um próximo post publicaremos “Como estudar Matemática: entendendo equações como um pintor” também escrito por Leo e nós.
  4. Tristo è quel discepolo che nona vaza Il suo maestro.
    Triste é o discípulo que não supera o seu mestre. A tecnologia está sempre avançando. Novos materiais de estudos surgem a cada dia nas bibliotecas e internet. Se tu não gostas ou não entendes o teu professor, não odeie a disciplina ou ache que não podes aprender. Apenas procure por novas fontes de explicação e supere as de seu mestre. E repetimos, tenha tuas próprias experiências, sejam elas matemáticas ou laboratoriais.
  5. Dico e confermo che ‘l disegniare i copagnia è molto meglio che solo. Eu digo e repito que desenhar estudar engenharia é muito melhor em companhia que sozinho. Ajuda bastante ter um grupo de estudos que se reúna semanalmente ou mensalmente para compartilhar experiências e resolver exercícios. Além disso, a responsabilidade de fornecer material de qualidade para os colegas estimula o estudante a se dedicar e evita a sobrecarga de tarefas.
  6. E se tu sarai solo tu sarai tutto tuo, e se serai acompagniato da uno solo copagnio sarai mezzo tuo. Se tu estiveres sozinho, serás todo teu, se tiveres uma companhia, serás apenas metade teu. Isto é, por mais que tenhamos um grupo de estudo, é necessário que também tenhamos momentos diários para trabalharmos sozinhos e guiados somente por nossos pensamentos, sem os empecilhos causados por companhias indiscretas, celulares, facesbook ou MSN pombo correio, ou outras distrações.
  7. Questa benigna natura ne provede i modo che per tutto Il modo tu trovi dove imitare. A Natureza beneficientemente provê por todo mundo algo que você possa achar para imitar. Deste modo, sempre que precisamos de um projeto, tema para dissertação ou monografia, é mais sábio procurar pelo mundo algum exemplo que nos sirva de inspiração, que inventar algo de nossas cabeças, sem nenhuma experiência para respaldar. Achar tais exemplos se torna ainda mais fácil quando o aluno se engaja desde os primeiros períodos para trabalhar em um laboratório de pesquisa ou de prestação de serviços.
  8. e quelli notare co brevi segni in questa forma su um tuo Piccolo libretto, Il quale tu devi sepre portar co teco… E tome notas breves em um pequeno caderno que tu deves sempre carregar contigo. Nossa memória tem limitações e em um mundo tão vasto quanto o das engenharias e matemáticas, é necessário tomar notas. Além disso, o simples ato de escrever sobre um assunto ajuda na assimilação e rememoração. Isto não significa que o aluno deva transcrever toda uma aula ou escrever toda idéia que surja na cabeça. Mas é imprescindível fazer anotações simples, inteligíveis e que possam ser retrabalhados com mais cuidado quando se tiver tempo.
  9. … perchè gli manca assai di degnità a fare vna cosa bene e l’altra male… Porque há muita falta de auto-respeito em se fazer algumas coisas bem e outras mal. Ou seja, nada de escolher duas ou três disciplinas para ir bem e se conformar com notas baixas nas outras. O ser humano tem limitações por Natureza, não que isto seja vergonhoso, mas nem por isso devemos viver sem fazer um esforço para obter resultados aceitáveis nas exigências básicas. Saiba reservar um tempo para estudar todas as disciplinas do período.
  10. Chi uuole essere ricco in v dì e impiccato in vn anno. Aquele que quiser enricar em um dia será enforcado em um ano. Em um mercado tão competitivo como o das Engenharias, é tolice achar que vai se tornar bem sucedido rapidamente. Nenhuma boa idéia, nem mesmo boas notas, virão sem o esforço devido e experiência. Todo bom engenheiro tem que se esforçar e quanto mais sedo ele começar o seu trabalho, mais tempo terá para fazer uma boa obra. Deste modo, não deixe os trabalhos, estudos para provas ou mesmo a monografia para o último momento ou período. Adiante seus trabalhos aos poucos, sem pressa, mas sem parar. Ao aluno, desejamos boa vontade, paciência e boa sorte!

PS: Como todo bom engenheiro, Leonardo também nos deixou piadas:

Fu dimadato vn pittore perchè, faciedo lui de’ figure si belle che era cose morte, per che causa esso avesse fatti i figlioli si brutti; allora Il pittore rispose che le pitture fecie di dì, e i figlioli di notte. Perguntaram a um pintor porque ele fazia tantas figuras belas, que são coisas sem vida, mas fazia seus filhos tão feios. Ao que o pintor respondeu: – É que minhas pinturas eu faço de dia e meus filhos, faço a noite. – Leo.

Manifesto do movimento otimista cético pragmático

March 4, 2011

O otimista cético pragmático é aquele que educadamente duvida da validade do que se afirma ser o conhecimento em algum departamento especial de inquérito, mas que sempre procura boas interpretações mesmo nas mais tolas bobagens do dia-a-dia. Tudo isto porque ele sabe que na maioria das situações alegria ou tristeza é uma mera questão de escolha.

Em palavras simples, o otimista cético pragmático é alguém que mesmo procurando correções para coisas que sabe estarem muito erradas, decide voluntariamente ficar calmo, sereno e feliz porque ele quer e sua vontade é suficiente.

Muitos, principalmente os pessimistas patológicos, podem declarar ser impossível ficar bem quando tudo vai mal. Na tentativa de convocá-los ao movimento, tem-se os seguintes argumentos.

Argumentos a favor do movimento:

  1. Psicotrópicos podem ativar estados de alegria, calma e paz independentemente das condições sociais, financeiras e econômicas do sujeito. Isto prova que o ânimo de uma pessoa não está 100% correlacionado com sua situação exterior.
  2. Pessoas calmas e otimistas se estressam menos para obter os mesmos resultados que os ansiosos e pessimistas.
  3. Acreditar que se tem o direito de se sentir bem não implica em comodismo. Pois se algo vai bem, sempre se pode trabalhar para melhorar.
  4. Ninguém realmente lucra com o sofrimento de ninguém. Ou seja, sofrer nunca vai ser o resultado mais satisfatório para uma cobrança exterior ou interior.
  5. Otimismo e calma não implicam em indiferença e pusilanimidade, como pregam os contrários. Isto é fato, não existe nenhuma relação obrigatória de causalidade entre estes estados.

Algumas sugestões de conduta:

O otimismo cético pragmático normalmente não é seguido por pessoas com a auto-estima do tamanho da dos que se deixam controlar por listas, horóscopos e afins, mas aí vai:

  1. O otimista cético pragmático normalmente não finge estar triste para agradar, pois sabe que estimular o otimismo e a calma é sempre mais lucrativo psicologicamente.
  2. Se alguém cobrar tristeza para se sentir bem, pode-se sempre lembrar que ninguém é “responsável pelo que os outros acham que se deve fazer”.
  3. O adepto do manifesto normalmente acredita que por mais deprimente, compulsória e chata que seja uma doutrina, religião ou partido, sempre apresentará lados positivos que possam ser explorados para levar alguma alegria e otimismo para seus adeptos.
  4. O otimista cético pragmático tem confiança suficiente no seu poder de auto-sugestão para necessitar de psicotrópicos.
  5. O real adepto do movimento jamais trata os outros deselegantemente, com menosprezo ou ignorância porque implicaria em falta de calma e fraqueza na auto-sugestão de serenidade. Além disso, o verdadeiro otimista sabe que não é porque algo ou alguém está brutalmente errado que vai permanecer para sempre assim.

“Tá tudo errado lá fora, mas eu tou bem porque tou trabalhando para concertar. Mentira, tou bem porque quero. =D” – Moto do movimento otimista cético pragmático